"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A situação preocupante do lixo na China

A República Popular da China é, de fato, um país de grandes proporções. No caso da produção de lixo, a situação não poderia ser diferente. O país de população estimada em 1,3 bilhão de habitantes gera aproxidamente 150 milhões de toneladas de lixo por ano, um terço da produção de lixo do planeta. O grande problema é que estima-se que atualmente exista uma quantidade de 7 bilhões de toneladas de lixo não tratado na China.
A taxa de produção de lixo aumenta 10% ao ano nas duas principais cidades do país, Beijing e Shangai. A capital gera cerca de 4.95 milhões de toneladas de lixo por ano. Já Shangai, que ocupa apenas 0,06% do território chinês, produz cerca de 6 milhões de toneladas anuais, representando cerca de 5% do total de lixo produzido no país.
Apenas 10% do lixo chinês é reciclado, 20% queimado ou fermentado e espantosos 70% são jogados em aterros ou a céu aberto. Além da característica de produção massiva do país, há pouca tecnologia para o tratamento de lixo, resultando em escassas usinas de energia que fazem reaproveitamento ou reciclagem.
O mau exemplo dado pela China afeta negativamente não só seu país, como todo o âmbito mundial. A situação chinesa nos faz refletir a importância de um bom planejamento na gestão de resíduos sólidos e das consequências de uma falta de preocupação com o lixo e suas alternativas. Trazendo a questão para a realidade do Brasil, um país de grande área geográfica e em grande desenvolvimento econômico, é fundamental que se reflita no frenesi da produção em massa desenfreada.

Por: Rafael Patricio
Fonte: Laboratório de Pesquisas Mercadológicas e de Opinião Pública - UERJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário