"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

LIVRO: Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos: uma abordagem prática para a sustentabilidade

Caros leitores do Blog Logística Reversa e Sustentabilidade,

Gostaria de divulgar mais um livro que trata de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos e Logística Reversa, no qual contribuí com um capítulo, juntamente com Sonia Seger sobre: Elementos Econômicos da Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos.


O livro acaba de ser lançado pela Editora Campus Elsevier e foi organizado por Tereza Cristina Melo de Brito Carvalho, Doutora em Engenharia Elétrica e Professora Associada da USP e Lúcia Helena Xavier, a qual é  Doutora em Gestão Ambiental e Pesquisadora Adjunta na Coordenação de Estudos Ambientais da Fundação Joaquim Nabuco.


Sinopse: A Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei 12.305, de agosto de 2010 - institui a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos abrangendo os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, os consumidores e os responsáveis pelos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos. Entre as obrigações dessa responsabilidade compartilhada está a estruturação e a implantação de sistemas de recolhimento, reuso, reciclagem e descarte dos produtos eletroeletrônicos após o uso pelo consumidor. E o prazo estipulado para adequação à Lei é agosto de 2014. Este livro tem por objetivo discutir os aspectos técnicos, sociais, ambientais, de saúde, ocupacionais e econômicos da gestão dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) no país, aliando os conceitos técnicos às orientações práticas de como gerir a logística reversa destes resíduos. Consolidação, até o momento, inexistente dos principais assuntos que interessam ao mercado, à indústria, às associações representativas da sociedade, à academia e ao governo.
A inovação e a sustentabilidade caracterizam os principais critérios a serem considerados na gestão dos REEE. As tecnologias hoje disponíveis nem sempre são suficientes para a efetiva gestão dos resíduos tecnológicos ou se adequam aos critérios de sustentabilidade. O descarte inadequado dos resíduos tecnológicos é uma questão que exige o desenvolvimento de soluções otimizadas e de baixo custo. Desta forma, a introdução de agentes inovadores na cadeia da destinação e disposição de REEE devem ser priorizados. A gestão de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) é uma categoria específica que tem fomentado discussões no âmbito político e técnico por duas razões principais: o impacto negativo da contaminação ambiental por metais e o consumo energético ao longo de sua vida útil. A esse respeito, os países desenvolvidos consolidaram regulamentações sobre a sustentabilidade ambiental e os regulamentos de eficiência energética ao longo das últimas duas décadas. As Diretivas européias, bem como as respectivas leis de cada país membro, são reconhecidas como o mais rigoroso arcabouço relacionado à gestão ambiental de resíduos eletroeletrônicos até o momento. Os documentos que regulamentam a gestão de equipamentos eletroeletrônicos pós-consumo ainda não consideram o significativo passivo ambiental que já encontra-se estabelecido na maioria dos países.




Nenhum comentário:

Postar um comentário