"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Projeto que trata das normas para a logística reversa de bitucas de cigarro recebe parecer favorável da CCJ/PR

Há alguns meses postei aqui no blog sobre um tipo de resíduo que muitas vezes não nos preocupamos muito, no entanto, se considerarmos o montante descartado, a toxicidade e a facilidade do descarte incorreto, percebemos que o impacto causado no meio ambiente é enorme. 
Quem nunca se incomodou ao se deparar com bitucas de cigarro jogadas nas praias, ruas, locais públicos?
O problema se torna ainda mais agravante quando nos deparamos com um estudo científico, que comprova que os filtros de cigarro descartados no mar/rios podem matar os peixes, tendo em vista a toxicidade do resíduo. Esses filtros são compostos de material sintético o qual demora anos para se decompor no meio ambiente, ou seja,  a bituca de cigarro descartada na calçada ou na rua, quando chove vai para os bueiros, e consequentemente, para os rios e mares. 
Desta forma o Poder Público necessita gastar mais recursos com a limpeza pública e nós "cidadãos"  e o "meio-ambiente" acabamos pagando por isso.
Hoje, fiquei muito satisfeita ao saber que o  projeto 627/11, de autoria do deputado estadual Rasca Rodrigues (PV), que estabelece normas para coleta, reciclagem e destinação adequada de bitucas de cigarro no Paraná, recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (18). O projeto passará ainda por votação em plenário, e se aprovado, para sanção do Governo do Estado.
De acordo com a proposta locais com grande aglomeração de pessoas como ruas, praças, praias, parques, estádios de futebol, rodoviárias, aeroportos e similares deverão oferecer a população recipientes para coleta das bitucas, evitando o descarte impróprio. “A Lei Antifumo (16.239/09) contribuiu para melhoria da qualidade do ar, mas ela também fez com que os fumantes utilizassem os espaços públicos, aumentando o volume de bituca nas ruas, bueiros, etc”, justifica Rasca.
Estima-se que apenas em Curitiba oito milhões de bitucas de cigarro sejam descartadas diariamente, sendo que aproximadamente 3,5 milhões (quase a metade) acabam virando lixo em espaços públicos, entupindo. Cada bituca leva em torno de cinco anos para se decompor no ambiente, pois em sua composição há mais de 4,7 mil substâncias como metais pesados, pesticidas, arsênico, entre outros.

Parabenizo o Deputado Rasca Rodrigues e desejo que ele continue na luta por soluções mais sustentáveis!

Também parabenizo o meu estado de origem, Paraná, porque mais uma vez é pioneiro no que se refere  às legislações ambientais e exemplo na fiscalização, contribuindo muito para a preservação do meio ambiente.

Por: Patricia Guarnieri para o Blog Logística Reversa e Sustentabilidade adaptado da matéria -  CCJ aprova projeto para destinação de bitucas de cigarro - disponível no site do Deputado Rasca Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário