"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

terça-feira, 28 de junho de 2011

Caixa Econômica Federal anuncia chamada pública para projetos de gestão de resíduos de construção civil, para a qual reservou um fundo socioambiental de R$ 3,8 mil

A Caixa Econômica Federal lançou ontem (27/06) uma chamada pública para apoiar projetos de gestão de resíduos sólidos de construção e demolição, feitos por consórcios públicos e prefeituras municipais. O Fundo Socioambiental Caixa reservou R$ 3,8 milhões para o concurso.
Os projetos serão recebidos até o dia 26 de agosto de 2011. A chamada é direcionada exclusivamente a consórcios públicos para gestão de resíduos sólidos, prefeituras de municípios com mais de 100 mil habitantes ou instituições vinculadas, responsáveis pela gestão de resíduos sólidos.
Como pré-requisito à participação, a Caixa exige a apresentação de Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil ou Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, em vigor no município onde o projeto será implantado.
Com a chamada, o banco anunciou o objetivo de estimular a reciclagem de resíduos de construção e demolição, e seu reaproveitamento nas obras, além de promover educação ambiental e mobilização social.
Segundo a Caixa, estima-se que de 40% a 70% dos resíduos urbanos sejam de construção e demolição. Esses rejeitos são provenientes da construção da infraestrutura urbana e são gerados em diversas fases das obras, como implantação, execução dos serviços, manutenção, reforma, desocupação e demolição.
O Fundo Socioambiental Caixa recebe até 2% do lucro anual do banco para realizar investimentos em projetos sociais – de cidadania inclusiva e geração de trabalho e renda; e em projetos ambientais – de proteção da biodiversidade e para cidades mais sustentáveis.

Por: Redação da Revista Sustentabilidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário