"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

domingo, 15 de agosto de 2010

Resíduos pré-consumo

Há muitos anos ouvimos sobre os sistemas de circuito fechado, em que os resíduos de um processo se tornam a matéria-prima para outro. Mas em todo o mundo, o sistema de recompensa do reaproveitamento de resíduos tem sido interpretado e aplicado de forma inconsistente.
Um dos principais serviços que a UL Meio Ambiente, onde eu trabalhei, fornece é independente e tem os créditos ambientais comprovados por terceiros. Um dos problemas que enfrentamos, e esta questão é exponencial em escala global, é definir e fundamentar os pedidos de utilização de material reciclado em produtos. 
Isto é particularmente verdadeiro para o uso do material pré-consumo (também conhecido como pós-industrial), que é o material que é reciclado antes de atingir o seu utilizador final pretendido.
Enquanto esta iniciativa pode parecer trivial, ela é responsável por bilhões de dólares de materiais a cada ano.
A dificuldade com o conteúdo pré-consumo reciclado é a interpretação e aplicação das muitas definições que existem.
A definição mais usada pode ser encontrada na norma ISO 14021, mas o desafio-chave para a sua interpretação é essa a frase:
“Excluem-se da reutilização de materiais, tais como retrabalho, triturados ou sucata gerada no processo e que pode ser recuperada dentro do mesmo processo que o gerou.”
Meu entendimento da intenção desta frase é que ela foi proposta para excluir o material que pode ser facilmente jogado para fora no início de um processo de fabricação. Então, se o material cai no chão ou emerge de um processo separado, mas relacionado, essa definição exclui os fabricantes que recolhem e adicionam este material de volta para o mesmo processo.
Mas o que acontece com os fabricantes que realizam uma quantidade significativa de reprocessamento de um material, a fim de reutilizá-lo no mesmo processo, ou em outro diferente? Ou com os fabricantes que vêm com uma formulação de novos produtos que podem utilizar o material reprocessado e encontrar um mercado para vendê-lo? Serão estes considerados de conteúdo reciclado?
Como mencionado no início, o objetivo comum é evitar que resíduos sejam enviados para aterros ou incineradoras e independentemente de saber se o material é um resíduo de um produto idêntico ou similar, o reprocessamento de material para que ele seja usado em um circuito fechado ajuda a todos nós alcançar nosso objetivo comum de reduzir o desperdício.
Para algumas pessoas esta frase permitiria aos fabricantes o direito de crédito ou de serem recompensados por produtos reciclados, quando na verdade eles estão simplesmente implementando boas práticas empresariais para reduzir os custos. Mas isso é irrelevante - na verdade os fabricantes têm o direito de serem recompensados monetariamente para beneficiar o meio ambiente, não há melhor incentivo do que este.
A pergunta que deve ser feita é: os fabricantes estão se esforçando para reutilizar materiais que não podem ser usados para sua finalidade original? Esta questão vai ao coração do nosso objetivo comum de reduzir o desperdício.
Se todos podemos concordar em nosso objetivo comum, o sistema de recompensa que usamos para chegar lá é secundário desde que não impacte negativamente o mundo que nos rodeia.

Por: Joshua Saunders 

Nenhum comentário:

Postar um comentário