"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

domingo, 13 de junho de 2010

Cooperativa de catadores de materiais reciclados paulistana exige investimento público para aumentar a produtividade

A cooperativa de catadores de materiais reciclados, Cooperação, da Vila Leopoldina, Zona Oeste da capital paulista, está considerando chamar mais 15 novos cooperados para trabalharem com os 64 existentes para triar seis toneladas extra de resíduos que a prefeitura começou a entregar no último mês, disse à Revista Sustentabilidade o secretário da entidade Neilton Polido. No entanto, a incorporação dos novos trabalhadores será feita paulatinamente para poder capacitá-los, para o qual pedem auxílio da prefeitura. "Eles querem mais produtividade das cooperativas, mas não investem," disse Polido.
Segundo o cooperado, desde que a justiça condenou a prefeitura a aumentar a coleta seletiva e instalar um conselho gestor de resíduos, a quantidade de material entregue à cooperativa aumentou em 40% das 15 toneladas recebidas diariamente, mas, ao mesmo tempo, as empresas não aumentaram a retirada dos rejeitos não recicláveis na mesma proporção.
"Cerca de 30% de tudo que recebemos não pode ser reciclado, mas a  prefeitura aumentou a entrega e não aumentou a retirada deste rejeito, isso lotou nosso galpão," explicou, dizendo que a ação da administração da cidade pode ser um jeito de argumentar que as 17 cooperativas não têm capacidade de processar os resíduos na cidade.
A única saída é cooperar, a maioria dos catadores é morador de rua com pouca capacitação e, que  levarão um tempo para poder atingir a produtividade máxima. Por isso a inclusão dos 15 novos cooperados será feito paulatinamente. "Nossa retirada mensal é de R$1.200, com o risco de reduzir esta renda em 40% não dá para aprovar a entrada de todos os novos cooperados de uma vez", argumentou.
Para Polido, a solução seria um aumento de investimento da prefeitura na capacitação dos cooperados. Segundo ele, apenas o Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb) trabalha com o treinamento das 17 cooperadas e este ano a Secretaria do Verde e Meio Ambiente está começando a participar também.
Polido sugeriu que as secretarias do Trabalho e Assistência Social poderiam também auxiliar no treinamento e capacitação dos cooperados.
São Paulo recicla oficialmente cerca de 1% de todas as 15 mil toneladas de resíduos geradas na cidade por meio de contratação de 17 cooperativas que recebem material reciclável coletado porta-a-porta por caminhos destinados somente a este fim.
No final de abril, o juiz Luis Fernando Vidal da 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo condenou cidade a implementar um amplo programa de coleta seletiva na cidade em 12 meses e imediatamente instituir o conselho gestor de resíduos sólidos com a participação dos catadores. A prefeitura pretende recorrer da decisão judicial.

Por: Alexandre Spatuzza
 
Fonte: http://www.revistasustentabilidade.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário