"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

domingo, 4 de outubro de 2009

Consumidor reconhece as ações

O resultado de ações ambientais são percebidas pelo consumidor, como comprovam pesquisas. A Market Analysis divulgou semana passada um ranking de Responsabilidade Social. O levantamento ouviu 805 pessoas em nove capitais do país. As marcas mais bem cotadas são a Petrobras (19,8%), Coca-Cola (4,8%) e Vale (3,8%). As marcas mais citadas quanto a falta ou mau uso de Responsabilidade Social são a Parmalat (10,6%), Souza Cruz (5,8%) e Oi (5,3%).
Curiosamente, duas das marcas bem qualificadas também aparecem entre as piores. A Petrobras e a Vale dividem o quarto lugar entre as mais classificadas negativamente junto com McDonald´s, Telefônica e Cedae. Para o diretor da Market Analysis, isso acontece por conta da “Natureza questionável dos negócios destas empresas, ligados à poluição e deteorização do meio ambiente”.
A International Paper também comemora o reconhecimento por parte dos consumidores depois dos resultados de uma pesquisa encomendada a Millward Brown com o objetivo de fazer um levantamento da imagem da marca de papéis Chamex. A marca foi a mais lembrada quanto à associação com o respeito à natureza, sendo citada por 72% dos respondentes, com 67% reconhecendo que o produto é fabricado a partir de florestas replantadas.
O reconhecimento dos consumidores reflete-se em vendas. A marca de biscoitos salgados Sun Chips, vendida nos Estados Unidos pela Frito-Lay – presente no Brasil sob o nome Elma Chips -, registrou um aumento de 17,6% em vendas em 12 meses após anunciar, há um ano, o uso de energia solar na produção do biscoito. A estratégia em sintonia com a marca (que em português significa “sol”), foi apoiada por um plano de mídia ao custo de US$ 15 milhões nos quatro primeiros meses. Resultados como esses animam muitas outras empresas. Veja o que outras empresas brasileiras estão desenvolvendo.

Fonte: Mundo do Marketing
Por Guilherme Neto, 22/07/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário