"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Rio de Janeiro lança "Contador Regressivo de Lixões"

A Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) acaba de lançar o “Contador Regressivo de Lixões” – nome dado ao sistema que irá monitorar a meta de erradicar todos os lixões dos municípios fluminenses até 2014. O contador deverá viabilizar o registro detalhado dos lixões que estão sendo ou serão desativados no Rio de Janeiro, dos aterros sanitários implantados e do cronograma de conclusão do programa Lixão Zero.
Já para o final do próximo ano, a Secretaria prevê que 86% do lixo do estado deixará de ser encaminhado a lixões, passando a ter destinação final correta em aterros sanitários. De acordo com o titular da SEA, Carlos Minc, entre 2008 e 2010, apenas 12% dos resíduos do estado eram descartados em aterros sanitários. Em 2011, o número mais que triplicou, chegando a quase 40%. Hoje, o Rio de Janeiro conta com 19 aterros em operação. A previsão é que, até o final de 2012, estejam em funcionamento outros 11, atingindo a marca de 30 aterros em atividade.
“Conforme a Constituição Federal, a gestão do lixo é atribuição das prefeituras, mas o caso estava preocupante e decidimos chamar a responsabilidade para nós: desde 2007, estamos interditando lixões, realizando audiências públicas sobre o tema, licenciando aterros sanitários e destinando recursos do Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam) para construir aterros sanitários”, conta Minc. Segundo a SEA, só em 2011 foram desativados 16 lixões.
A função do contador é justamente detalhar as ações de desativação e fazer com que a sociedade possa acompanhar de perto o que vem sendo feito no programa Lixão Zero. Em cada caso citado, serão divulgadas a data da desativação, as toneladas de lixo retiradas e a destinação correta para aterros sanitários em diversos municípios.
Atualmente, 43 das 92 cidades do Rio de Janeiro despejam seu lixo em aterros sanitários. O objetivo é, em 2012, ter 71 municípios nessa situação. Uma das medidas do estado para atingir sua meta é a ajuda financeira às prefeituras. No lançamento do contador, no dia 24 de outubro, a presidente do Inea, Marilene Ramos, falou sobre o Programa de Compra de Lixo Tratado, que se destina a fornecer apoio técnico e financeiro ao município que se dispuser a encaminhar o lixo urbano para locais de tratamento e destinação sanitária com licenças ambientais aprovadas. Marilena destacou que, muitas vezes mesmo quando se dispõem a resolver o problema do lixo em suas cidades, os prefeitos encontram obstáculos técnicos e financeiros. “Pelo programa, o governo estadual firma convênios com os municípios a fim de apoiá-los financeiramente, por um período máximo de cinco anos, na transferência imediata do envio de lixo para os aterros sanitários licenciados, no próprio município ou em cidade vizinha.”
Para Sebastião Carlos dos Santos, líder do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) no Rio de Janeiro e presidente da Associação dos Catadores do Jardim Gramacho, a iniciativa do governo estadual é bem-vinda. “Mas deve ser acompanhada de um ‘Contador Regressivo de Exclusão Social’. Ou seja, ela deve prever a implantação da coleta seletiva e da inclusão social dos catadores, com incentivo à formação de cooperativas e pagamento pelos serviços ambientais prestados, conforme estabelecido pela Política Nacional de Resíduos Sólidos.”
“Nos dados a serem apresentados, de forma transparente, constarão os lixões desativados de 2009 a 2010, o lixões já desativados em 2011 e os que serão interrompidos nos próximos anos”, informou a Secretaria do Ambiente, em nota. Ainda segundo a secretaria, o objetivo do detalhamento das ações de desativação dos lixões é fazer com que a sociedade acompanhe de perto o que vem sendo feito com o programa Lixão Zero, que visa a desativar todos os lixões do Rio. “Em cada caso citado, serão detalhadas a data da desativação, as toneladas de lixo retiradas e a destinação correta para aterros sanitários em diversos municípios”.


Fonte: CEMPRE

Nenhum comentário:

Postar um comentário