"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Prefeitura de São Paulo multa e lacra a fábrica da empresa de alimentos Kellogg's pelo descumprimento da Lei do Lixo

Justin Sullivan/Getty Images
Verifiquem o que o descumprimento de leis ambientais e a falta da adoção de logística reversa  e gestão de resíduos pode ocasionar para as empresas.
A prefeitura de São Paulo multou e lacrou nesta quarta-feira (25/08) a fábrica da empresa de alimentos Kellogg's, por descumprir a lei que prevê que grandes geradores de resíduos contratem companhias privadas para a realização da coleta do lixo. Nos últimos meses, 916 estabelecimentos - como Casas Bahia e supermercados Hirota - foram multados pela prefeitura por não respeitarem a regra.
A "Lei do Lixo" data de 2002, mas só em janeiro deste ano seu descumprimento passou a gerar problemas para as empresas. A lei estabelece que os locais que produzem mais de 200 litros de lixo por dia devem contratar empresas particulares para a coleta. A regra também vale para os condomínios não residenciais, de uso comercial ou misto (comercial e residencial juntos), que geram 1.000 litros ou mais de lixo por dia.
Para serem enquadrados nesta categoria, os estabelecimentos devem se cadastrar no site da prefeitura. No entanto, até o momento, apenas 5.700 empresas fizeram o cadastro. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Serviços, as sanções aplicadas até o momento fizeram com que cerca de 2.400 empresas regularizassem a coleta em 2011.
As empresas lacradas recebem uma multa de 1,059 reais e ficam paralisadas por cinco dias até regularizarem a situação. Se um novo descumprimento da lei é detectado, uma nova multa é aplicada e o local é fechado por mais 15 dias. Na terceira ocorrência, a prefeitura pode cassar o alvará de funcionamento da fábrica.
Procurada pelo site de VEJA, a Kellogg's afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que está analisando a origem das infrações apontadas pela prefeitura e tomará as devidas providências.

Por: Ana Clara Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário