"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Incineração: saída para lixo ou risco iminente?

A queima do lixo, reduzindo em cinzas o montante de rejeitos, com produção de energia termelétrica, é proposta atraente às políticas de gestão de resíduos sólidos. As prefeituras de Recife e Belo Horizonte, estudam a implantação desses sistemas. Entretanto, compostos tóxicos, que podem ser formados durante o processo de queima do lixo, colocam em risco a viabilidade ambiental de incineradores.
A cidade de Curitiba, por exemplo, entregou recentemente um plano integrado com medidas para reciclagem, compostagem e biodigestão dos gases produzidos na decomposição do lixo, excluindo o projeto de incineração, por considerá-lo arriscado.
Europa, Estados Unidos e Japão contam atualmente com cerca de 600 incineradores vinculados à produção de energia elétrica. Enquanto que, no Brasil, a atividade é predominantemente realizada para atender o tratamento de resíduos especiais em aeroportos, hospitais, indústrias e agroindústrias, que lidam com materiais perigosos. São equipamentos de pequeno porte com capacidade inferior a 100 quilos por hora.
Ricardo Menezes, um dos autores do trabalho “Estágio atual da incineração no Brasil”, e engenheiro mecânico da Kompac, empresa especializada em equipamentos de incineração, explica que, historicamente, a implantação desses sistemas em municípios brasileiros foi sucedida pela falta de manutenção adequada e necessária para atender às exigências ambientais, resultando na desativação e demolição dos poucos que chegaram a funcionar. A exemplo do primeiro incinerador municipal do país, construído em 1896, em Manaus, e que em 1958 foi desativado por problemas de manutenção.
Menezes afirma que, desde os anos 1980, o setor têm se aprimorado no país e hoje o risco a saúde humana é reduzido. Em contrapartida, Sonia Hess, engenheira química e consultora técnica nas áreas de Saúde e Meio Ambiente dos ministérios público federal e de diversos estados do país, acredita que a incineração deva ser a última opção de tratamento do lixo urbano.
Hess lembra que não é possível controlar a composição de resíduos urbanos que chegam aos aterros sanitários. Logo, encaminhar esse montante à incineração, mesmo após a separação de recicláveis, é arriscado. O lixo que as cidades produzem é uma mistura de resíduos orgânicos, químicos e industrializados. Esses dois últimos, podem conter metais pesados ou substâncias que, a altas temperaturas, se recombinam, transformando-se em dioxinas e furanos, que, numa concentração elevada, são responsáveis pela formação de cânceres, má-formação congênita, infertilidade, problemas sexuais, entre outros.
A formação de dioxinas e furanos ocorre a uma temperatura entre 400 e 600 graus centígrados. Os incineradores modernos operam acima de 900 graus centígrados. Em contrapartida, após a queima, os resíduos gasosos devem sofrer um choque de temperatura passando a medidas abaixo de 200 graus centígrados, para evitar a formação dos compostos tóxicos durante o resfriamento desses efluentes.
Entretanto, se o sistema de incineração sofrer o choque de temperatura o gás não poderá ser utilizado na produção de energia elétrica, por exemplo. Para produção energética, o gás deve sair da câmara de combustão passando por tubulações com saída para caldeiras, ar condicionado, ou gerador, onde o potencial de energia pode ser utilizado. A preocupação de ambientalistas é que, durante esse percurso, a temperatura do gás caia de 900 graus centígrados para os níveis que resultam na formação de furanos e dioxinas.

Por: Lilian Milena (Redação ADV)
Para ler a matéria completa acesse: Portal Luis Nassif

Nenhum comentário:

Postar um comentário