"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

sábado, 19 de junho de 2010

Quem lê os relatórios de sustentabilidade?

Vamos começar com a observação: se tantas empresas produzem dados ambientais, sociais e de governança, qual é a leitura de todos esses relatórios? E, quais são os dados usados? O padrão de resposta a estas perguntas é que os dados são usados para ajudar as empresas a selecionarem as áreas para o investimento socialmente responsável. Enquanto verdade, isso não explica todo o esforço que muitas empresas dedicam a esses relatórios. A maioria são relatórios de produção de alto valor que incluem fotos, gráficos - muito mais do que os dados brutos necessários pelos analistas.
Então, por que tanto esforço? A resposta ficou clara na cerimônia de premiação Ceres. Na sua reunião anual a organização reconhece o melhor dos melhores relatórios de responsabilidade corporativa. Ao aceitar o prêmio na categoria de pequenas e médias empresas, o representante da sétima geração perguntou à platéia quantas pessoas leram seu relatório. Muito poucas pessoas se identificaram. Então ele perguntou: quantas pessoas leram os relatórios da própria empresa? Quase todos levantaram a mão.
O ponto foi marcado. Poucas pessoas investirão tempo para ler um relatório de responsabilidade sócio-ambiental a não ser que este tenha algum impacto direto sobre elas. Na era da informação instantânea, se precisarmos de dados sobre um determinado assunto, não vamos ler um relatório para buscá-los e sim acabamos no "Google" ou "Bing". Isto significa que, talvez, apenas um punhado de pessoas leram seu relatório de responsabilidade corporativa de capa a capa e a maioria deles são provavelmente os funcionários da empresa.
O vencedor do prêmio seguinte foi a Ford Motors. Durante seu discurso, o representante da Ford, disse que o processo de produção de seu relatório de sustentabilidade foi um instrumental na condução de programas na Ford. Ele disse que os prazos foram imperativos para os departamentos internos lançarem programas ou coletarem dados, o que provavelmente não teria acontecido sem forçar essa função por meio do relatório.
Duas das empresas em responsabilidade sócio-ambiental de topo essencialmente admitiram que o valor principal na elaboração dos seus relatórios não foi a transparência (ou seja, uma janela para as operações da empresa), mas um driver para a consciência e a ação da empresa (ou seja, um espelho para os empregados se avaliarem e melhorarem suas ações). Moral da história: Normalmente pensamos em relatórios como "depois do fato" - contando a história, não criando a história.
Essa pequena epifania ressoou em mim. Lembrei-me de que dos últimos relatórios que eu tinha trabalhado - a partir do novo relatório do meu atual empregador - AMD para os relatórios emitidos pelo meu ex-patrão - Apple, cada um teve um impacto transformador sobre a estratégia e direção do programa.
O mais recente relatório da AMD foi equivalente a uma auditoria interna dos sistemas e processos para os programas de responsabilidade corporativa. Embora este seja o nosso 15º ano consecutivo de informação, tem havido grandes mudanças na AMD, que mudaram as questões materiais para os programas de responsabilidade corporativa. Em outras palavras, o relatório deste ano se tornou a base ideal para o desenvolvimento de uma nova estratégia de ação.

Por: Mohin TIM (Diretor de responsabilidade corporativa da AMD)
Fonte: Agenda Sustentável http://www.agendasustentavel.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário