"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

sábado, 19 de junho de 2010

Greenwashing - Lavagem ou maquiagem ecológica e os pecados verdes

Greenwashing (traduzido geralmente como "lavagem ecológica") é um termo utilizado para designar um procedimento de marketing utilizado por uma organização, seja esta uma empresa, governo, profissional liberal,  ONGS, etc, com o objetivo de dar à opinião pública uma imagem ecologicamente responsável dos seus serviços ou produtos, ou mesmo da própria organização, porém a realidade é bem outra, pois neste caso, a organização tem, uma atuação contrária aos interesses ambientais. É importante ressaltar que o Greenwashing não se confunde com o Greenmarketing. Greenwashing é um termo pejorativo, e é nocivo ao meio ambiente, (green = verde; wash = lavar, alusão à lavagem de dinheiro feita por criminosos).
                                  
Esta prática nociva de gestão é um problema Global e vem sendo discutido por vários meios especializados no assunto. Em um artigo intitulado "Green is the colour of money", a jornalista norte-americana Amanda Witherell denuncia que empresas estão investindo dinheiro em iniciativas ambientais para encobrir ofensas do passado ao meio ambiente. Organizações não governamentais, mal intencionadas, praticam Greenwashing para captação de recursos públicos ou privados, que posteriormente serão em boa parte desviados para aplicação em atividades ou empreendimentos causadores de degradação ambiental. Governos praticam Greenwashing para seduzir cidadãos e determinar os rumos da economia (Bruno Rezendo - Coluna Zero).
Então surgem os pecados verdes, ou seja, os erros que aparecem no mercado devido a esta prática anti-ética, ou seja, muitas empresas que não tem práticas ambientais efetivas, tentam "parecer" ambientalmente corretas, para captar mais consumidores. Os seis pecados do Greenwashing são:
1)Pecado dos malefícios esquecidos. Ex: Eletrônica eficiente energeticamente, mas que contém materiais prejudiciais à saúde e ao meio ambiente;
2)Pecado da falta de provas. Ex: Cosméticos clamando ser organicamente certificados, mas sem certificação verificável;
3)Pecado da promessa vaga. Ex: Produtos que clamam ser 100% naturais quando muitas substâncias de ocorrência natural são prejudiciais, como o arsénico e o formaldeído;
4)Pecado da irrelevância. Ex:Produtos que clamam ser livres de CFC, apesar destes químicos já terem sido banidos há vinte anos;
5)Pecado da mentira. Ex: Produtos que clamam falsamente serem certificados por um padrão ambiental ambientalmente reconhecido (EcoLogo, Energy Star, etc);
6)Pecado dos dois demônios. Ex: Cigarros orgânicos ou pesticidas ambientalmente amigáveis.
Portanto pessoal, o que temos que fazer para combater o Greenwashing, é evitar consumir de empresas que cometem os pecados verdes, analisando a empresa antes do consumo para verificar se suas práticas são realmente efetivas, ou somente, superficiais e mentirosas. Está em nossas mãos. Com certeza muitas empresas loucas para entrar na "onda verde" realizarão esta prática crimonosa, Cabe a nós "consumidores conscientes", diferenciar as empresas sustentáveis das que somente fazem a maquiagem verde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário