"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Analfabetismo Ambiental e Ações Ecopolíticas Sustentáveis - por Luciana Ribeiro

Crédito: Google Imagens
Tratar de questões relacionadas às cidades brasileiras e aos problemas socioambientais (desmatamentos de áreas verdes, consumo exagerado de bens materiais, despejo inadequado de lixos, poluições de gases produzidos por indústrias e carros etc) tornou-se um desafio grandioso e preocupante para especialistas e sociedade no geral.
Neste sentido, vislumbra-se a educação ambiental como educação política que inseri o sujeito e sua vivência histórica, social, econômica e cultural. Assim, propõe-se a problematização dessas vivências junto aos acontecimentos cotidianos que geram conseqüências para o meio ambiente, mas conscientizando o indivíduo como agente social-ecológico que pode mudar a si mesmo, o outro e o mundo. 
As discussões ambientais, mediadas por estudiosos, pesquisadores e ambientalistas, precisam ser conhecidas e compreendidas pelos cidadãos como espaços ecopedagógicos. A comunicação ambiental por meio de recursos materiais como folder, panfleto, placa e outras fontes áudio-visuais, deve ser apropriada à convivência social das pessoas em escolas, empresas, hospitais, igrejas etc. Além disso, é importante reconhecerem a origem histórica de suas cidades, das áreas verdes que a compõem, das pessoas e suas diversidades culturais, incluindo conquistas que se dinamizam entre prejuízos e malefícios para o meio ambiente. 
Segundo Berna, 2010, o indivíduo tem o direito de ser educado por meio de uma educação democratizada e de qualidade, garantida pela Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) – Lei n° 9.795 de 27 de abril de 1999, art. 5°, inciso II. 
Respaldada pelos direitos dos cidadãos de terem o meio ambiente ecologicamente equilibrado (Artigo 225 da Constituição Brasileira/Política Nacional dos Resíduos Sólidos , regulamentada por decreto presidencial no dia 23 de dezembro de 2010), reivindico aos governantes propostas que envolvem políticas públicas com a inserção de atividades e projetos que viabilizam a proteção da natureza, sugiro alguns: 
.Modificar as lixeiras públicas, seus formatos e nomeá-las por “recicladoras de resíduos sólidos”. 
.Divulgar faixas, panfletos, jornais, revistas e placas compostas por imagens ou propagandas de reciclagem e conservação, a serem divulgadas pela mídia televisiva. 
.Convidarem os educadores para disseminarem informações ambientais nos teatros, mutirões de limpeza, cinemas, bate-papos, pois educação é um processo de aprendizagem duradouro e contínuo. 
As instituições responsáveis pelo meio ambiente (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (IBAMA)/ Secretaria de Meio Ambiente (SEMA)/Ministério do Meio Ambiente (MMA) e outros) precisam mobilizar-se para educar os cidadãos de modo mais acessível, respeitando as linguagens e problemas sociais enfrentados pelo povo brasileiro. Os conhecimentos e ações ambientais precisam ser divulgados, amparados e acessados para sanar o analfabetismo ambiental que existe e reforça o descaso e o desconhecimento de informações locais, regionais, nacionais e globais. 
Assim, a comunidade e sua participação efetiva perante os problemas e situações de degradação do meio ambiente podem ser motivadas de forma vivencial, ecopedagógica e desafiadora. Entretanto, esse trabalho educativo, que permite focalizar a educação sociambiental, faz parte dos projetos que estão sendo debatidos por especialistas na Tv, rádio, internet etc. Debater e vigorar tais exigências é imprescindível para o cumprimento das leis que regem a legislação ambiental no Brasil. 

Acesse para saber mais: 


Por: Luciana Ribeiro

Luciana Ribeiro é  Pedagoga de Brasília/Formada pela Faculdade JK(Anhanguera de Águas Claras)/;Pós-graduada em Orientação e Gestão Educacional na IECO/Cursos de Extensão na Escola da Natureza e na UNB;Realizando trabalhos ecopedagógicos com o apoio da ONG Círculo de GIZ/UNB. 
Autora do livro ANA FOLHA E A TURMA DO LIXÃO:  "Vamos preservar nossas florestas" e também autora do blog "Ecopedagogia". 




Para adquirir o livro entre em contato através dos e-mails: 


acnavarro@lgeeditora.com.br 

daterra@daterraecos.com.br




Conheça o blog
Ecopedagogia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário