"A logística reversa é processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico. " (Patricia Guarnieri)



Crédito da imagem: jscreationzs / FreeDigitalPhotos.net

domingo, 12 de junho de 2011

Ação ecológica da logística reversa

Houve um tempo em que, tradicionalmente, empresas de manufatura não se sentiam responsáveis por seus produtos depois do uso pelos clientes. A maior parte dos produtos usados era jogada fora com consideráveis danos ao meio ambiente. 
Hoje em dia, consumidores e autoridades esperam que os fabricantes reduzam o lixo gerado por seus produtos. Recentemente, devido às novas leis de gerenciamento de resíduos, a ênfase se voltou à recuperação, por conta dos altos custos e impactos ambientais do descarte. Foi então, que surgiu o conceito de logística reversa.
"Este é um tema emergente dentro da logística empresarial. Podemos definir a logística reversa como sendo o processo responsável por retornar ao início da cadeia produtiva os resíduos gerados (embalagens, partes do produto, produtos danificados ou sem condições de ser comercializado). A implantação desta prática está ligada a fatores relacionados à redução de custos, cumprimento de responsabilidades legais, impostas por legislações específicas ou pela necessidade de implementar ações que visem a sustentabilidade do negócio", explica o especialista em logística, Tarcísio Menezes.
"No tocante à legislação, o Brasil aprovou no ano passado - após 20 anos de sua formulação - a Lei 12.305/10, que trata da destinação correta dos resíduos sólidos. Nela é instituída a exigência da prática da logística reversa para algumas cadeias produtivas", ressalta Tarcísio. 
Segundo o especialista as principais razões para aderir à logística reversa são: leis ambientais que forçam as empresas a receber de volta seus produtos e cuidar de seu tratamento; benefícios econômicos de usar produtos devolvidos no processo produtivo, ao invés de descartá-los; e a crescente consciência ambiental dos consumidores.
A exemplo disso, é que uma empresa de Maringá, que atua no segmento de manutenção e venda de combustíveis, passou a desenvolver também, desde 2003, atividades específicas relacionadas à coleta de resíduos.
"Naquela época, os resíduos gerados por postos retalhistas de combustíveis, como as embalagens com restos de lubrificantes, estopas, filtros e outros, não tinham local adequado para destinação e nem empresa que fizesse a coleta. Foi aí que percebemos a necessidade de suprir tal demanda. Hoje, ampliamos nossos serviços e dispomos de uma estrutura para coletar também outros tipos de resíduos, como lâmpadas fluorescentes. Muito embora, a responsabilidade ambiental, no caso específico das lâmpadas, seja do próprio fabricante", destaca o consultor técnico comercial, Alexandre Martins.
Para ele a logística reversa implantada na empresa, específica para embalagens plásticas de lubrificantes, trouxe economia. "Se antes, pagávamos em média, R$ 1,20 por quilo para destinar nossas embalagens de lubrificantes, hoje, aproveitamos para reciclar este material, gerando economia e responsabilidade com o meio ambiente", enfatiza.
Isso é o que se pode concluir da logística reversa, ou seja, economia certa para empresas que já se anteciparam ao cumprimento da legislação, e lucro garantido à sociedade com o descarte ecologicamente correto dos resíduos.

Fonte: O Diário
Disponível em: CLRB

Nenhum comentário:

Postar um comentário